Archicad ou Revit: qual usar?

Quando os arquitetos e engenheiros começam a trabalhar com o BIM é quase certo que terão uma dúvida sobre o melhor software paramétrico a usar nos projetos arquitetônicos ou projetos complementares: Archicad ou Revit? Nesse post entenda mais sobre esses dois softwares que são muito significativos para o setor AECO. Softwares surgiram para dar suporte à metodologia BIM Em primeiro lugar, vamos entender o que é BIM (Building Information Modeling): é uma metodologia de trabalho colaborativa que utiliza um modelo único em geometria, com banco de dados associado, que vai permitir o gerenciamento de todas as informações sobre o projeto em todas o seu ciclo de vida. Essa metodologia permite a criação de diversos modelos digitais que são compartilhados com todas disciplinas envolvidas, permitindo melhor coordenação, gerenciamento, execução e operação de uma obra. O modelo 3D também possibilita a realização de simulações na versão digital da obra para analisar o seu desempenho e facilitar tomadas de decisão. Essa metodologia vem gerando uma grande eficiência na cadeia construtiva, que permite redução de gastos e de desperdícios, cronogramas mais exatos e grande eficiência das edificações. Além disso, BIM e sustentabilidade combinam muito e também com o conceito da Lean Construction. Para dar suporte à tecnologia BIM, existem vários softwares, entre eles é possível escolher o Revit ou Archicad. Vamos entender melhor sobre cada um deles: Revit O Revit é um software da empresa norte-americana Autodesk que permite ao usuário projetar com modelagem paramétrica e elementos de desenho. É bastante popular na indústria da construção na América e Europa, inclusive no Brasil. Traz ferramentas para viabilizar o trabalho nos projetos arquitetônicos, MEP e engenheiros estruturais. É utilizado para coordenação de todas as entradas de dados (incluindo dados em 2D). Os componentes paramétricos do software foram criados usando um editor de famílias Revit (sistemas, componentes carregáveis e locais). Além disso, todas as relações entre as visualizações, componentes e anotações em qualquer um dos elementos do modelo são propagadas automaticamente. Archicad Desenvolvido pela empresa húngara Graphisoft, foi o primeiro software BIM para uso comercial. Desfruta de grande prestígio com profissionais da Europa. Também trabalha com o desenvolvimento de plantas, cortes e todos os elementos da construção por meio de um modelo único 3D, com banco de dados associados. Tem ferramentas de design de algoritmos e com suporte para grandes modelos para projetar, analisar e colaborar, além de trazer um conjunto completo de documentação pronto para uso. É mais focado no trabalho dos arquitetos, embora tenha ferramentas da modelagem MEP e estrutural disponíveis. Qual é melhor: Archicad ou Revit? É bastante complicado definir qual software é melhor, porque ambos têm algumas semelhanças: trabalham com criação de modelos digitais que agregam informações, têm atualizações do modelo geradas automaticamente, complexidade na geometria e oferecem recursos bastante abrangentes para renderização. Além disso, ambos os softwares também realizam atualizações constantes para corrigir eventuais falhas apontadas pelos usuários. Por exemplo, em 2019, a Graphisoft lançou o Archicad 23, recentemente lançou o ArchiCAD 24, e o Revit já está na versão 2021 também. Ambos os softwares permitem que todos os mecanismos do BIM para arquitetos e engenheiros sejam acionados para a realização de um projeto mais eficiente. Por isso, muitas vezes, essa noção de melhor será muito individual, pode depender de certas preferências de cada profissional do setor e do trabalho a ser realizado. O melhor para colocá-los em uma balança é apontar alguns pontos fortes e pontos fracos de cada software, que pode levar o usuário a entender o que é melhor para seu trabalho. Pontos fortes Graphisoft Archicad Interface é umas das maiores vantagens, traz bastante clareza ao usuário porque é mais minimalista e orientada por gráficos; Permite processo criativo bastante integrado e intuitivo para o projeto arquitetônico; Fornece mais liberdade para analisar o modelo porque as visualizações 3D são axonométricas e em perspectiva; Numeração de páginas é automática; Mostra profundidade de desenhos de forma muito eficaz; Ferramentas de produção e edição intuitivas e consistentes; Usa padrão IFC; Funciona melhor em computadores menos potentes, rodando em Mac e Windows; Tem diversos templates com versão brasileira; Oferece um um sistema Teamwork para compartilhamento de arquivos bastante robusto. Autodesk Revit Mais autonomia e facilidade no design paramétrico de elementos; Interface simples e altamente personalizável tanto para arquitetos como para engenheiros; Grande flexibilidade de design nos primeiros estágios do projeto; Tem capacidade em várias dimensões para planejar, analisar, gerenciar e operar em todos os estágios do projeto, do design à construção e até demolição; Extensa biblioteca de conteúdos para projetos MEP e estruturais; Método de desenvolvimento de paletas é visualmente semelhante ao AutoCAD, porém, com imensas opções de possibilidades para editar elementos; Renderização em nuvem, objetos RFA e motor Autodesk Raytracer (ART) sedimentaram a preferência de muitos usuários do setor construtivo; Permite arquivos maiores; Apresenta mais suporte para usuários com literatura, recursos, e-books e tutoriais na internet; Grande compatibilidade com softwares da Autodesk, como o Navisworks, BIM 360, Dynamo e AutoCAD. Pontos fracos Archicad Tem menor capacidade de aplicar e personalizar visualizações de elementos específicos; Traz menos suporte e informações sobre como se aprofundar no software; Necessita de melhorias no conjunto de recursos, como extração de banco de dados Keynote, gerenciador de fases e transferência mais fácil de detalhes padrão. Revit Numeração de páginas é manual; Precisa de processos mais rápidos para funcionar bem; Não suporta recurso “arraste e solte” para inserir arquivos dentro de projetos. Conclusão Percebe-se que o melhor software (Archicad ou Revit) vai depender do que o profissional mais dominar e se adaptar, além do tipo de projeto que vai precisar desenvolver. Se precisar apenas de projetos arquitetônicos colaborativos, o Archicad vai servir muito bem, inclusive, a nova versão 24 corrigiu uma deficiência em relação aos projetos complementares. Agora é possível fazer modelagem das disciplinas de estrutura e instalações prediais, se equiparando ao Revit em modelagem multidisciplinar. Porém, projetos com alto nível de complexidade e dados também podem direcionar para o uso do Revit. O certo é que ambos os softwares trabalham muito bem com os preceitos da metodologia BIM e podem promover resultados muito satisfatórios para os objetivos das empresas e profissionais da indústria construtiva.

Quando os arquitetos e engenheiros começam a trabalhar com o BIM é quase certo que terão uma dúvida sobre o melhor software paramétrico a usar nos projetos arquitetônicos ou projetos complementares: Archicad ou Revit?

Nesse post entenda mais sobre esses dois softwares que são muito significativos para o setor AECO.

Softwares surgiram para dar suporte à metodologia BIM

Em primeiro lugar, vamos entender o que é BIM (Building Information Modeling): é uma metodologia de trabalho colaborativa que utiliza um modelo único em geometria, com banco de dados associado, que vai permitir o gerenciamento de todas as informações sobre o projeto em todas o seu ciclo de vida.

Essa metodologia permite a criação de diversos modelos digitais que são compartilhados com todas disciplinas envolvidas, permitindo melhor coordenação, gerenciamento, execução e operação de uma obra.

O modelo 3D também possibilita a realização de simulações na versão digital da obra para analisar o seu desempenho e facilitar tomadas de decisão.

Essa metodologia vem gerando uma grande eficiência na cadeia construtiva, que permite redução de gastos e de desperdícios, cronogramas mais exatos e grande eficiência das edificações.

Além  disso, BIM e sustentabilidade combinam muito e também com o conceito da Lean Construction.

Para dar suporte à tecnologia BIM, existem vários softwares, entre eles é possível escolher o Revit ou Archicad. Vamos entender melhor sobre cada um deles:

Revit

O Revit é um software da empresa norte-americana Autodesk que permite ao usuário projetar com modelagem paramétrica e elementos de desenho. É bastante popular na indústria da construção na América e Europa, inclusive no Brasil.

Traz ferramentas para viabilizar o trabalho nos projetos arquitetônicos, MEP e engenheiros estruturais. É utilizado para coordenação de todas as entradas de dados (incluindo dados em 2D).

Os componentes paramétricos do software foram criados usando um editor de famílias Revit (sistemas, componentes carregáveis e locais). Além disso, todas as relações entre as visualizações, componentes e anotações em qualquer um dos elementos do modelo são propagadas automaticamente.

Archicad

Desenvolvido pela empresa húngara Graphisoft, foi o primeiro software BIM para uso comercial. Desfruta de grande prestígio com profissionais da Europa.

Também trabalha com o desenvolvimento de plantas, cortes e todos os elementos da construção por meio de um modelo único 3D, com banco de dados associados. Tem ferramentas de design de algoritmos e com suporte para grandes modelos para projetar, analisar e colaborar, além de trazer um conjunto completo de documentação pronto para uso.

É mais focado no trabalho dos arquitetos, embora tenha ferramentas da modelagem MEP e estrutural disponíveis.

Qual é melhor: Archicad ou Revit?

É bastante complicado definir qual software é melhor, porque ambos têm algumas semelhanças: trabalham com criação de modelos digitais que agregam informações, têm atualizações do modelo geradas automaticamente, complexidade na geometria e oferecem recursos bastante abrangentes para renderização.

Além disso, ambos os softwares também realizam atualizações constantes para corrigir eventuais falhas apontadas pelos usuários.  Por exemplo, em 2019,  a Graphisoft lançou o Archicad 23, recentemente lançou o ArchiCAD 24, e o Revit já está na versão 2021 também.

Ambos os softwares permitem que todos os mecanismos do BIM para arquitetos e engenheiros sejam acionados para a realização de um projeto mais eficiente. 

Por isso, muitas vezes, essa noção de melhor será muito individual, pode depender de certas preferências de cada profissional do setor e do trabalho a ser realizado.

O melhor para colocá-los em uma balança é apontar alguns pontos fortes e pontos fracos de cada software, que pode levar o usuário a entender o que é melhor para seu trabalho.

Pontos fortes

Graphisoft Archicad

  • Interface é umas das maiores vantagens, traz bastante clareza ao usuário porque é mais minimalista e orientada por gráficos;
  • Permite processo criativo bastante integrado e intuitivo para o projeto arquitetônico;
  • Fornece mais liberdade para analisar o modelo porque as visualizações 3D são axonométricas e em perspectiva;
  • Numeração de páginas é automática;
  • Mostra profundidade de desenhos de forma muito eficaz;
  • Ferramentas de produção e edição intuitivas e consistentes;
  • Usa padrão IFC;
  • Funciona melhor em computadores menos potentes, rodando em Mac e Windows;
  • Tem diversos templates com versão brasileira;
  • Oferece um um sistema Teamwork para compartilhamento de arquivos bastante  robusto.

Autodesk Revit 

  • Mais autonomia e facilidade no design paramétrico de elementos;
  • Interface simples e altamente personalizável tanto para arquitetos como para engenheiros;
  • Grande flexibilidade de design nos primeiros estágios do projeto;
  • Tem capacidade em várias dimensões para planejar, analisar, gerenciar e operar em todos os estágios do projeto, do design à construção e até demolição;
  • Extensa biblioteca de conteúdos para projetos MEP e estruturais;
  • Método de desenvolvimento de paletas é visualmente semelhante ao AutoCAD, porém, com imensas opções de possibilidades para editar elementos;
  • Renderização em nuvem, objetos RFA e motor Autodesk Raytracer (ART) sedimentaram a preferência de muitos usuários do setor construtivo;
  • Permite arquivos maiores;
  • Apresenta mais suporte para usuários com literatura, recursos, e-books e tutoriais na internet;
  • Grande compatibilidade com softwares da Autodesk, como o Navisworks, BIM 360, Dynamo e AutoCAD.

Pontos fracos

Archicad

  • Tem menor capacidade de aplicar e personalizar visualizações de elementos específicos;
  • Traz menos suporte e informações sobre como se aprofundar no software;
  • Necessita de melhorias no conjunto de recursos, como extração de banco de dados Keynote, gerenciador de fases e transferência mais fácil de detalhes padrão.

Revit

  • Numeração de páginas é manual;
  • Precisa de processos mais rápidos para funcionar bem;
  • Não suporta recurso “arraste e solte” para inserir arquivos dentro de projetos.

Conclusão

Percebe-se que o melhor software (Archicad ou Revit) vai depender do que o profissional mais dominar e se adaptar, além do tipo de projeto que vai precisar desenvolver. 

Se precisar apenas de projetos arquitetônicos colaborativos, o Archicad vai servir muito bem, inclusive, a nova versão 24 corrigiu uma deficiência em relação aos projetos complementares. Agora é possível fazer modelagem das disciplinas de estrutura e instalações prediais, se equiparando ao Revit em modelagem multidisciplinar.

Porém, projetos com alto nível de complexidade e dados também podem direcionar para o uso do Revit.

O certo é que ambos os softwares trabalham muito bem com os preceitos da metodologia BIM e podem promover resultados muito satisfatórios para os objetivos das empresas e profissionais da indústria construtiva.

Compartilhe

Mais Posts

O BIM Mandate pode ter duas interpretações: o documento (Manual do BIM) que detalha aspectos de modelagem ou mandato BIM, que é um padrão que estabelece políticas de implementação da metodologia em certos países. Neste aspecto, o BIM Mandate Brasil é a Estratégia BIM BR, lançada pelo decreto 10.306, de abril de 2020. No decreto, o governo federal estabeleceu a utilização do Building Information Modeling na execução direta ou indireta de obras e serviços de engenharia realizada pelos órgãos e pelas entidades da administração pública federal, no âmbito da Estratégia Nacional de Disseminação do Building Information Modelling- Estratégia BIM BR, instituída pelo Decreto nº 9.983, de 22 de agosto de 2019. Neste post, vamos focar no Manual BIM, que é essencial para os projetos do setor, pois é a definição dos fornecedores ou construtoras sobre as necessidades de informação da estrutura do modelo e vai orientar todo o processo de desenvolvimento do projeto. Leia o post até o final para entender melhor o BIM Mandate, que pode também ajudar as empresas nas contratações de projetos. O que é BIM? Antes de falar de BIM Mandate (Manual BIM), vamos entender o que é BIM (Building Information Modeling). Essa é uma metodologia que envolve um processo inteligente e colaborativo, baseado em um modelo 3D único para a indústria da Arquitetura, Engenharia e Construção. Como o modelo é único, o processo é totalmente colaborativo entre as disciplinas permitindo projetar, analisar, planejar, gerenciar e operar sistemas de construção de uma forma muito mais rápida e segura do que os métodos tradicionais. Além disso, o BIM também possibilita redução de custos e de tempo de execução de obra, permitindo agregar muito mais valor aos projetos do setor construtivo. No mundo, a necessidade da metodologia vem crescendo de tal forma que, além das edificações, também tem sido utilizado o BIM na modelagem das cidades. Para que serve BIM Mandate? Vamos ao BIM Mandate ou Manual BIM: é um documento essencial porque vai orientar as equipes tanto na identificação quanto na execução de cada fase do ciclo de vida do projeto. Normalmente, é utilizado por uma construtora, empresa de projetos ou setor do órgão público com suas regras gerais de trabalho em BIM. Por meio deste documento, criado antes de iniciar o projeto, todos os padrões de construção são definidos e especificados pelos fornecedores (escritórios de arquitetura ou engenharia) ou empreiteiras. São formas únicas de realizar o procedimento para modelagem. Funciona como um manual pré-definido, sendo Open BIM para trabalhar com a interoperabilidade, que se dá por um ambiente colaborativo por meio de IFC (Industry Foundation Classes), que é um formato que permite o intercâmbio de informções. Também pode ser com BIM exclusivo (especialmente para a iniciativa privada) quando é utilizado somente determinados softwares nativos da mesma plataforma, como o Archicad ou Revit. Confusão entre BEP e BIM Mandate Há também uma certa confusão no mercado quando associam o BIM Mandate como BEP (Plano de Execução BIM). Enquanto o Manual BIM vai apresentar as regras gerais pré-definidas do trabalho com base no BIM, o BEP é criado a cada projeto, como foco em um produto específico, de contrato a contrato, para definir plano de implementação do BIM para aquele projeto, usos, processos, coleta de informações, responsabilidades e funções, softwares, cronograma, documentos, etc. BIM Mandate: exemplo do que deve constar Quando um escritório de arquitetura ou engenharia tem o seu próprio BIM Mandate pode agregar valor ao trabalho que vai oferecer aos seus clientes, porque demonstra que essas diretrizes podem promover um potencial de eficácia aos resultados do projeto. O processo de levantar informações sobre gargalos, custos e estimativas de melhorias por si só já agrega valor aos trabalhos das empresas que têm um BIM Mandate porque pode demonstrar que está compatível com as exigências e especificidades do mercado construtivo. Neste BIM Mandate estarão destacados detalhes das variadas etapas dentro do ciclo de vida do projeto BIM. Veja as informações que deverão constar no documento e serão disponibilizadas à equipe: Definição dos usos do modelo BIM e diretrizes de Modelagem; Definições de Projeto; Padronização de nomenclaturas de: materiais, bibliotecas, arquivos, etc; LOD (Nível de Desenvolvimento do modelo em cada etapa de entrega); LOI (Nível de Informação); Planejamento (BIM 4D); Orçamentação (BIM 5D); Coordenação de Projetos; Diretrizes de interoperabilidade; Entregáveis BIM; Utilização vinculada à EAP. Conclusão O BIM Mandate é recomendado para a fase anterior ao início do projeto porque certamente servirá para garantir muito mais estrutura aos dados e processos necessários. Dessa forma, tanto o planejamento quanto desenvolvimento do projeto tendem a ser muito mais organizados e eficientes. Vale a pena produzir o documento.

BIM Mandate: entenda o que é

O BIM Mandate pode ter duas interpretações: o documento (Manual do BIM) que detalha aspectos de modelagem ou mandato BIM, que é um padrão que