O que é BIM e por que implementar agora?

O Building Information Modeling é uma metodologia de trabalho que vem sendo adotada ao redor do mundo com grandes resultados. Quer saber o que é BIM?

A Modelagem de Informação da Construção é um processo que permite trabalho colaborativo, mais controle de prazos de entrega e economia em orçamentos e insumos, além de um melhor desempenho da edificação.

O processo é muito eficiente e logo será o padrão na indústria AECO (Arquitetura, Engenharia,  Construção e Operações) também no Brasil. Esse fato por si só já leva que as empresas do setor tenham urgência na implantação e implementação da metodologia. Veja mais nesse post.

O que é BIM: entenda todas as possibilidades

A plataforma BIM proporciona uma verdadeira revolução para os setores de arquitetura, engenharia, construção e operações. A metodologia assegura um processo de trabalho inteligente amparado em um modelo tridimensional.

A partir desse modelo único em geometria que começa na arquitetura, todas as disciplinas envolvidas na indústria da construção terão ferramentas da tecnologia BIM para planejar, projetar, construir, gerenciar e operar obras de infraestrutura e edificações comerciais ou residenciais. Todos trabalham de forma integrada e colaborativa.

Mas quando há dúvida sobre o que é BIM, é preciso entender principalmente que a palavra Informação que faz parte da sigla tem uma importância vital. 

Além dos dados digitais que estarão no modelo único e permitirão a representação, reprodução ou versão simplificada de cada elemento que compõe a edificação, essas informações também estarão em documentos digitais que podem ser alterados e compartilhados em cada etapa e necessidade do ciclo de vida do projeto.

Não se trata apenas de defesa de um novo processo de trabalho que já está sendo utilizado no mundo inteiro, há uma fundamentação financeira para adoção do BIM

Um projeto BIM terá:

  • Design mais eficiente e inteligível;
  • Melhor entendimento da solução de um projeto;
  • Suporta a interoperabilidade entre os diferentes domínios de negócios;
  • Simulações realistas para as mais variadas hipóteses;
  • Análises mais precisas em todas as disciplinas;
  • Eficiência na sustentabilidade;
  • Controle de custos e prazos;
  • Métodos inovadores para entrega de projetos, etc.

Estatísticas mundiais demonstram que os impactos positivos são imensos, inclusive na assertividade e acuidade dos projetos.

A metodologia tem sido tão importante para a indústria da construção que também foi ampliada para atingir o urbanismo, com a derivação CIM (City Information Modeling – Modelagem da Informação da Cidade) e a criação de Cidades Inteligentes).

O que é projeto BIM: pilares

O processo BIM é amparado inicialmente em 3 pilares (pessoas, processos e tecnologia):

  • Pessoas: é fundamental o envolvimento de pessoas que vão atuar na estratégia implantação do BIM nas empresas. Esses profissionais devem ser treinados no conceito da tecnologia, adotar uma postura mais colaborativa, ganhar adaptabilidade e reciclagem constante.
  • Processos: quando uma empresa implanta o BIM, todos os processos (internos e interempresariais) vão mudar para atender aos requisitos da metodologia. Isso vai envolver um novo plano de trabalho, do fluxo à comunicação e inclusive para o sistema de concentração de dados. 
  • Tecnologia:  vai envolver toda parte técnica necessária para a implantação da nova tecnologia, com os programas, equipamentos e infraestrutura de operação.

Políticas

Porém, é preciso também incluir um embasamento para esses pilares, o tópico “Políticas”, que  serão necessárias para regulamentar os princípios e regras com a finalidade de orientar o processo de tomada de decisão para a implantação do BIM.

No âmbito Políticas, o Brasil está caminhando a passos largos para definir o BIM como a metodologia padrão a partir de decretos governamentais. O primeiro foi publicado em 2018, que sofreu alterações em 2019. Em abril de 2020, um novo decreto (número 10.306) foi assinado e reforçou que o BIM vai ganhar um grande incremento a partir de 2021. 

Nos vários países onde o BIM já é uma realidade, com importantes resultados a apresentar, o processo de implantação começou também com estímulo governamental.

No Reino Unido, considerado um dos países mais avançados do uso do BIM no setor AECO mundial, o governo investiu 15 milhões de libras para ações de disseminação da tecnologia e seus procedimentos, além da elaboração de normas.

O resultado foi que o BIM revelou impacto positivo de 72% no controle de custos da construção,  e 85% menos problemas derivados de erros de projetos, problemas de coordenação ou erros de execução.

Decreto 10.306

Ficou estabelecido no decreto brasileiro que a metodologia será implementada de forma gradual em alguns setores públicos. No primeiro momento, os Ministérios de Infraestrutura e da Defesa irão utilizar a metodologia em reformas e novas obras em prédios ligados a esses órgãos. Porém, qualquer outro órgão da administração pública federal está livre para começar a atuar com o BIM também.

Além disso, há uma frente parlamentar, nomeada Frente Parlamentar do BIM, que está mobilizada para tornar a utilização do BIM obrigatória em todo o setor público.

Motivos para investir o mais rápido possível em BIM

Embora o conceito da tecnologia exista desde o início da década de 1970, o uso da metodologia cresceu mesmo por volta dos anos 2000. Ainda assim, são muitos os participantes do setor construtivo que ainda não conhecem os seus benefícios.

Além do próprio estímulo que o governo pode conceder para a implantação da metodologia no país, o que vai envolver em breve todo o setor privado também, existem motivos mais do que justificáveis para implantar o Sistema BIM na indústria construtiva.

Coordenação e colaboração

Especialmente em projetos de grande complexidade, esses são aspectos que podem ser considerados o calcanhar de Aquiles na indústria construtiva.

As muitas disciplinas envolvidas e alterações realizadas nos projetos ao longo do ciclo de vida sempre ocasionaram grandes erros, que, consecutivamente, podiam gerar também desperdícios de tempo e dinheiro.

Com o BIM, o compartilhamento de informações permitido ao modelo único gera  também melhor colaboração no processo, inclusive porque as atualizações e interferências são automáticas e disponíveis para todos. Resultado: menos erros e desperdícios.

Planejamento de recursos

O processo colaborativo permite um perfeito entendimento do projeto arquitetônico, a  elaboração dos projetos complementares (estruturais e de outras disciplinas), cálculo exato de quantitativos, cronograma e organização do canteiro de obras, etc.

Por isso, é muito mais fácil fazer todo o planejamento da obra e entender como cada etapa se conecta e se compõe com o todo do ciclo. 

Riscos

A metodologia prevê uma grande redução de riscos no setor, em especial na responsabilidade civil, no que se refere tanto a falhas estruturais, como pedidos de mudanças e até mesmo questões de segurança dos trabalhadores.

Além disso, o processo BIM também permite uma visão geral do projeto, que reduz significativamente conflitos em todas as suas etapas.

Facilita tecnologia de campo

A digitalização da metodologia BIM permite que as atualizações sejam realizadas a partir de qualquer lugar, inclusive do canteiro de obras.

Mais produtividade

Com um projeto preciso, melhor coordenação de processos de todas as disciplinas (arquitetônico, estrutural e MEP) e custos organizados, todos os envolvidos terão em mãos dados que vão permitir uma produtividade muito maior.

Isso porque com toda essa organização, todo o ciclo de vida promete ser otimizado, com um planejamento que tende a ocorrer da forma prevista.

O que é plataforma BIM? Mudança de mindset!

A urgência em ampliar a consciência de todos os envolvidos na indústria construtiva sobre o que o que é o BIM é muito clara, mas é preciso entender que o BIM é uma estratégia que requer um suporte executivo de cima para baixo no processo de implantação.  É preciso mais, é preciso implementar, ou seja, colocar em execução.

O BIM muda a forma como as empresas trabalham, por isso, essa implantação precisa primeiro atingir os setores mais altos da empresa, que deverão estimular a mudança de mindset para processos colaborativos, integrados, organizados e com sistemática mais inteligente.

Serão necessários investimentos sim, como treinamentos e aquisição de software BIM e equipamentos. A implantação também exige paciência, porque é mais que a mudança de uma roupagem. O processo precisa ser atento e cuidadoso. 

No começo, os investimentos podem parecer bastante altos, porém, o ROI (Retorno Sobre Investimento) é certo a médio prazo. Muitas empresas podem começar o processo da implantação do BIM e ficar pelo meio do caminho porque não estão enxergando o sol no horizonte. Mas, sem dúvida, ele está lá. Uma ajuda especializada será fundamental nesse processo para enxergar melhor todas as grandes possibilidades.

As empresas que implementam o BIM de forma integral, além do retorno financeiro em si, também ganham clientes que ficam muito mais satisfeitos porque têm entendimento melhor sobre todas as etapas do projeto, ganhos de prazos e de custos.

Com os prazos já anunciados no último decreto BIM publicado, no Brasil, hoje é mais que urgente saber o que é BIM na arquitetura, saber o que é BIM na engenharia e outras disciplinas. Essa metodologia possibilita que o setor se desenvolva como nunca antes na história do país.

Compartilhe

Mais Posts

A relação entre o uso do BIM e a gestão pública é particularmente estreita em todos os países onde a plataforma foi adotada na indústria construtiva

BIM e a gestão pública

A relação entre o uso do BIM e a gestão pública é particularmente estreita em todos  os países onde a plataforma foi adotada na indústria