Plataforma BIM: entenda o alcance para todas as cidades

A partir deste ano, a expectativa é que o uso da plataforma BIM aumente 10 vezes no Brasil a partir da entrada em vigor dos prazos do decreto federal 10.306, que determina o uso obrigatório do BIM nos Ministérios da Defesa e Infraestrutura . Além do decreto, uma alteração da lei 8.666 prevê a preferência para uso do BIM nos contratos em todos os órgãos governamentais. Porém, uma frente parlamentar vem trabalhando para tornar a metodologia obrigatória em todas as esferas do governo. O Building Information Modeling tem se caracterizado como a maior revolução da indústria da construção no mundo inteiro, modificando resultados financeiros e expectativas do setor. Embora tenha sido descrito pelo professor norte-americano de arquitetura Chuck Eastman (falecido em novembro de 2020) há mais de 30 anos, foi nos anos 2000 que a plataforma BIM saiu efetivamente do conceito no papel e passou a modernizar as várias etapas do ciclo de vida de diversas edificações e instalações no mundo inteiro O que é plataforma BIM? O que é BIM? O Building Information Modeling ou Modelagem da Informação da Construção ganha cada vez mais destaque no setor construtivo. É uma metodologia que reúne um conjunto de políticas, processos e tecnologias que servirá para projetar, planejar, gerenciar, executar e operar uma instalação ou edificação em todos os seus ciclos. O crescimento da busca por conhecimento e adesão ao uso da metodologia por profissionais do setor tem feito a plataforma BIM no Brasil crescer, porém, a partir do decreto governamental que entrou, de fato, em vigor a partir deste ano para o setor público, espera-se que essa adesão sofra um verdadeiro boom também no setor privado de construção. Por sinal, foi por meio do incentivo governamental que a plataforma BIM teve todo seu potencial efetivamente conhecido no setor construtivo ao redor do mundo. Países como Reino Unido, Estados Unidos, países escandinavos, França, Emirados Árabes e alguns na América Latina, como Argentina, Costa Rica, Peru e Chile já estão comprovando resultados também. Pelos recursos que oferece, os projetos em plataforma BIM são apropriados para empresas de todos os portes, desde aquelas que farão grandes obras de infraestrutura para os governos como para pequenas empresas que vão trabalhar com projetos residenciais individuais. Porém, a adesão à plataforma BIM envolve um certo investimento de tempo e recursos. Em primeiro lugar porque os profissionais e empresas que vão trabalhar com a metodologia precisam promover uma mudança de mentalidade, abraçando um fluxo de trabalho mais colaborativo e inteligente, que permitirá compartilhamento de informações com as diversas áreas envolvidas em um projeto construtivo. Em segundo lugar, a implantação do BIM nas empresas também vai exigir investimento em treinamentos, hardwares e softwares. Porém, é certo que vai valer a pena. O BIM vem sendo o protagonista do que se conhece como Construção 4.0, que utiliza recursos da Inteligência Artificial, Big Data e IoT (Internet das Coisas). Um ponto forte da Construção 4.0 é a automação de quase todo o ciclo de vida do projeto. Com o tempo, empresas e profissionais que não aderirem a essa onda tecnológica de digitalização no setor vão perder espaço de mercado, porque um relatório da empresa de análises de tendências Zion Market Research demonstra que o uso do BIM pelo mercado mundial já triplicou entre 2016 e 2020. O que é permitido fazer com a plataforma BIM? Com essa metodologia de trabalho colaborativa, a partir de um modelo único, tridimensional e inteligente (carregado com banco de dados) e utilizando uma plataforma digital, será possível realizar a modelagem, armazenamento de informações, análises de desempenho, gerenciamento de dados e informações do projeto arquitetônico, bem como dos complementares. Além disso, com desenvolvimento do modelo virtual (gêmeo digital), a plataforma BIM, é possível simular a construção e ensaiar resultados efetivos, antes mesmo da execução física. Outra grande possibilidade que a plataforma BIM oferece ao setor construtivo é reduzir erros e retrabalhos, além dos desperdícios que sempre foram um verdadeiro gargalo para o setor construtivo. Possibilitando a modelagem de todos os elementos de uma construção (vigas, portas, janelas, telhados, infraestrutura, sistemas de água, luz, esgoto, rede elétrica, paisagismo, etc), associados aos bancos de dados, as informações extraídas do modelo são muito mais confiáveis nas mais variadas etapas e servem para calcular quantitativos e realizar orçamentos assertivos, bem como estimar prazos de entrega e desempenho de obra após a conclusão da edificação. Essas funcionalidades vão melhorar efetivamente os resultados do setor. Na Pesquisa Nacional BIM, realizada em 2019, do Reino Unido, líder global na adoção da metodologia, revelou que 48% das empresas do setor construtivo que passaram a adotar a plataforma BIM constataram melhorias no fluxo de trabalho e aumento da lucratividade. Mais benefícios do uso da plataforma BIM Melhor design e visualização Comunicação aprimorada Fluxo inteligente de trabalho Melhor coordenação e gerenciamento da obra Detecção de conflitos facilitada Mais segurança nos canteiros de obra Mais produtividade em todas as etapas Otimização da sustentabilidade ambiental e financeira dos projetos. BIM: plataforma para modelar cidades? Os recursos da plataforma são tão vastos que inspirou também o BIM na modelagem da cidade. Para isso, foi necessário que os recursos do BIM incorporassem o sistema do GIS/SIG (Geographic Information Systems/Sistema de Informação Geográfica). Desta união, nasceu o City Information Modeling, que permite muitos mais que projetar obras de infraestrutura, edificações e instalações. Com essa plataforma para o urbanismo, é possível pensar em toda uma cidade com elementos modelados a partir do zero e com as mesmas funcionalidades do BIM. Essas informações que estarão na modelagem servirão à melhoria da qualidade de vida da população. Algumas cidades ao redor do mundo, por sinal, já são modeladas como Montreal e Toronto (Canadá). Para Alexander Justi, que é autoridade no tema, professor, autor de livros e palestrante sobre plataforma BIM, Revit e outros softwares que dão suporte à metodologia, o CIM é um BIM em larga escala. Enquanto o BIM terá famílias de objetos paramétricos para escala das edificações, o CIM terá bibliotecas de padrões urbanos, como avenidas, ruas, calçadas, lotes, blocos, bairros; topografia, tráfego de veículos e pessoas, densidade demográfica, etc. Segundo o arquiteto, o uso do CIM está intimamente ligado às Cidades Inteligentes, nas quais as tecnologias de informação e comunicação são utilizadas para compartilhar informações com o público e gerar mais eficiência operacional. Uma cidade inteligente que faz modelagem em 3D com banco de dados associado, permite um melhor planejamento urbano. Com isso, pode gerar melhor controle da mobilidade urbana, ofertas de soluções nas áreas de Educação e Saúde, eficiência na limpeza pública e processos de reciclagem, melhor gerenciamento da iluminação pública, controle de emissões de gases que podem fazer mal à população, etc Curso de plataforma BIM Não basta apenas buscar entender o que significa plataforma BIM, é preciso arregaçar as mangas e investir em qualificação, porque essa metodologia não é tão intuitiva assim, tem inúmeras informações e possibilidades. Com uma pós-graduação em plataforma BIM, o profissional estará apto a ser o responsável, implementar e gerir uma mudança e modernização de mentalidade em uma empresa do setor de arquitetura, engenharia e construção. Lembre-se que uma especialização em plataforma BIM pode ser o ponto de virada de uma carreira.

A partir deste ano, a expectativa é que o uso da plataforma BIM aumente 10 vezes no Brasil a partir da entrada em vigor dos prazos do decreto federal 10.306, que determina o uso obrigatório do BIM nos Ministérios da Defesa e Infraestrutura . Além do decreto, uma alteração da lei 8.666 prevê a preferência para uso do BIM nos contratos em todos os órgãos governamentais. Porém, uma frente parlamentar vem trabalhando para tornar a metodologia obrigatória em todas as esferas do governo.

O Building Information Modeling tem se caracterizado como a maior revolução da indústria da construção no mundo inteiro, modificando resultados financeiros e expectativas do setor.

Embora tenha sido descrito pelo professor norte-americano de arquitetura Chuck Eastman (falecido em novembro de 2020) há mais de 30 anos, foi nos anos 2000 que a plataforma BIM saiu efetivamente do conceito no papel e passou a modernizar as várias etapas do ciclo de vida de diversas edificações e instalações no mundo inteiro

O que é plataforma BIM?

O que é BIM? O Building Information Modeling ou Modelagem da Informação da Construção  ganha cada vez mais destaque no setor construtivo. É uma metodologia que reúne um conjunto de políticas, processos e tecnologias que servirá para projetar, planejar, gerenciar, executar e operar uma instalação ou edificação em todos os seus ciclos.

O crescimento da busca por conhecimento e adesão ao uso da metodologia por profissionais do setor tem feito a plataforma BIM no Brasil crescer, porém, a partir do decreto governamental que entrou, de fato, em vigor a partir deste ano para o setor público, espera-se que essa adesão sofra um verdadeiro boom também no setor privado.

Por sinal, foi por meio do incentivo governamental que a plataforma BIM teve todo seu potencial efetivamente conhecido no setor construtivo ao redor do mundo.  Países como Reino Unido, Estados Unidos, países escandinavos, França, Emirados Árabes e alguns na América Latina, como Argentina, Costa Rica, Peru e Chile já estão comprovando resultados também.

Pelos recursos que oferece, os projetos em plataforma BIM são apropriados para empresas de todos os portes, desde aquelas que farão grandes obras de infraestrutura para os governos como para pequenas empresas que vão trabalhar com projetos residenciais individuais.

Porém, a adesão à plataforma BIM envolve um certo investimento de tempo e recursos. Em primeiro lugar porque os profissionais e empresas que vão trabalhar com a metodologia precisam promover uma mudança de mentalidade, abraçando um fluxo de trabalho mais colaborativo e inteligente, que permitirá compartilhamento de informações com as diversas áreas envolvidas em um projeto construtivo.

Em segundo lugar, a implantação do BIM nas empresas também vai exigir investimento em treinamentos, hardwares e softwares. Porém, é certo que vai valer a pena. 

O BIM vem sendo o protagonista do que se conhece como Construção 4.0, que utiliza recursos da Inteligência Artificial, Big Data e IoT (Internet das Coisas).

Um ponto forte da Construção 4.0 é a automação de quase todo o ciclo de vida do projeto.

Com o tempo, empresas e profissionais que não aderirem a essa onda tecnológica de digitalização no setor vão perder espaço de mercado, porque um relatório da empresa de análises de tendências Zion Market Research demonstra que o uso do BIM pelo mercado mundial já triplicou entre 2016 e 2020.

ebook cim e as cidades inteligentes

O que é permitido fazer com a plataforma BIM?

Com essa metodologia de trabalho colaborativa, a partir de um modelo único, tridimensional e inteligente (carregado com banco de dados)  e utilizando uma plataforma digital, será possível realizar a modelagem, armazenamento de informações, análises de desempenho, gerenciamento de dados e informações do projeto arquitetônico, bem como dos complementares.

Além disso, com desenvolvimento do modelo virtual (gêmeo digital),  a plataforma BIM, é possível simular a construção e ensaiar resultados efetivos, antes mesmo da execução física.

Outra grande possibilidade que a plataforma BIM oferece ao setor construtivo é reduzir erros e retrabalhos, além dos desperdícios que sempre foram um verdadeiro gargalo para o setor construtivo.

Possibilitando a modelagem de todos os elementos de uma construção (vigas, portas, janelas, telhados, infraestrutura, sistemas de água, luz, esgoto, rede elétrica, paisagismo, etc), associados aos bancos de dados, as informações extraídas do modelo são muito mais confiáveis nas mais variadas etapas e servem para calcular quantitativos e realizar orçamentos assertivos, bem como estimar prazos de entrega e desempenho de obra após a conclusão da edificação.

Essas funcionalidades vão melhorar efetivamente os resultados do setor. Na Pesquisa Nacional BIM, realizada em 2019, do Reino Unido, líder global na adoção da  metodologia, revelou que 48% das empresas do setor construtivo que passaram a adotar a plataforma BIM constataram melhorias no fluxo de trabalho e aumento da lucratividade.

Mais benefícios do uso da plataforma BIM

  • Melhor design e visualização
  • Comunicação aprimorada
  • Fluxo inteligente de trabalho
  • Melhor coordenação e gerenciamento da obra
  • Detecção de conflitos facilitada
  • Mais segurança nos canteiros de obra
  • Mais produtividade em todas as etapas
  • Otimização da sustentabilidade ambiental e financeira dos projetos.

BIM: plataforma para modelar cidades?

Os recursos da plataforma são tão vastos que inspirou também o BIM na modelagem da cidade. Para isso, foi necessário que os recursos do BIM incorporassem o sistema do GIS/SIG (Geographic Information Systems/Sistema de Informação Geográfica).

Desta união, nasceu o City Information Modeling, que permite muitos mais que projetar obras de infraestrutura, edificações e instalações. Com essa plataforma para o urbanismo, é possível pensar em toda uma cidade com elementos modelados a partir do zero e com as mesmas funcionalidades do BIM. 

Essas informações que estarão na modelagem servirão à melhoria da qualidade de vida da população. Algumas cidades ao redor do mundo, por sinal, já são modeladas como Montreal e Toronto (Canadá).

Para Alexander Justi, que é autoridade no tema, professor, autor de livros e palestrante sobre plataforma BIM, Revit e outros softwares que dão suporte à metodologia, o CIM é um BIM em larga escala.

Enquanto o BIM terá famílias de objetos paramétricos para escala das edificações, o CIM terá bibliotecas de padrões urbanos, como avenidas, ruas, calçadas, lotes, blocos, bairros; topografia, tráfego de veículos e pessoas, densidade demográfica, etc.

Segundo o arquiteto, o uso do CIM está intimamente ligado às Cidades Inteligentes, nas quais as tecnologias de informação e comunicação são utilizadas para compartilhar informações com o público e gerar mais eficiência operacional.

Uma cidade inteligente que faz modelagem em 3D com banco de dados associado, permite um melhor planejamento urbano. Com isso, pode gerar melhor controle da mobilidade urbana, ofertas de soluções nas áreas de Educação e Saúde, eficiência na limpeza pública e processos de reciclagem, melhor gerenciamento da iluminação pública, controle de emissões de gases que podem fazer mal à população, etc

Curso de plataforma BIM

Não basta apenas buscar entender o que significa plataforma BIM, é preciso arregaçar as mangas e investir em qualificação, porque essa metodologia não é tão intuitiva assim, tem inúmeras informações e possibilidades. 

Com uma  pós-graduação em plataforma BIM, o profissional estará apto a ser o responsável, implementar e gerir uma mudança e modernização de mentalidade em uma empresa do setor de arquitetura, engenharia e construção.

Lembre-se que uma especialização em plataforma BIM pode ser o ponto de virada de uma carreira.

Venha-ser-um-especialista-em-BIM

Compartilhe

Mais Posts